Secretaria de Assistência Social promove semana nacional de combate ao abuso e à exploração sexual contra crianças e adolescentes


19 de maio de 2020 - 08:00 | Imprimir

A Secretaria de Assistência Social de Teixeira de Freitas, por meio do CRAS e CREAS, e em parceria de entidades ligadas a proteção da criança e ao adolescente promove nesta semana, tendo como ponto de partida 18 de maio, Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes, a campanha Teixeira, Faça Bonito!

A data, marca o bárbaro crime sofrido por uma menina de apenas 08 anos de idade, que teve seus direitos humanos violados. Sofrido em maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), o crime chocou o país, e ficou conhecido como “Caso Araceli”. Teixeira de Freitas infelizmente, também carrega em sua história recente, caso semelhante, o da adolescente “Cassiane Lima”, que hoje, dá nome ao Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS na cidade.

Segundo a assistente social, Roberta Leandra Nunes, a proposta “é destaca o tema, trazido pela data ao longo da semana para mobilizar, sensibilizar, informar e convocar a sociedade, a ficar alerta a sinais de abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes em nossa cidade. Além do coronavírus, devemos combater o vírus da ignorância que muitas vezes está dentro de casa, é silencioso e tão devastador quanto o COVID-19.”

A psicóloga Ana Carolina Dias, alerta aos riscos da não vigilância, e destaca: “fiquemos atentos”, casos simples podem revelar situações graves de violência, que podem ou não serem vistas fisicamente, mas que deixam marcas emocionais profundas. A Secretaria de Assistência Social do município disponibiliza de mecanismos de proteção eficazes, que atuam em conjunto do Conselho Tutelar. Quem em primeiro, acolhe denúncias e aciona os atendimentos do CRAS e CREAS.

“No dia a dia do CREAS, atendemos casos de violação de direitos das crianças de 0 a 17 anos, idosos e pessoas portadoras de necessidades especiais em qualquer faixa etária. Damos suporte a família como um todo. Onde, através do serviço social fazemos o acompanhamento das famílias e verificamos as suas necessidades sociais, econômicas e de saúde, mantendo é claro, o foco no indivíduo em vulnerabilidade. Pois entendemos que a violência passa, mas o seu registro dura uma vida toda”, atenta a Psicóloga.

Maria Aparecida de Lima (Cida), mãe de “Cassiane Lima” também participa das ações do projeto que, após a tragédia que alcançou a sua família, serve como meio de transmitir a sua experiência a outras famílias. “Infelizmente eu não posso dizer o que houve, o porquê, se houve ameaça ou não para a minha filha, mas o fato é que quando dei por mim, já havia acontecido. Então, eu não posso afirmar que ela estivesse sendo coagida ou ameaçada a fazer aquela ou sessa prática de violência, mas na maioria das vezes é isso o que acontece. Por isso peço que não se calem diante do que está acontecendo”, orienta Cida.

DENUNCIE discando 100, se preferir ligue direto para o Conselho Tutelar, nos fones: (73) 9 8834-8288 ou (73) 9 8834-0014 ou procure a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher – DEAM.

Ascom/PMTF