Outubro Rosa

HISTÓRIA

Alguns fatos históricos da cidade de TEIXEIRA DE FREITAS

 

A cidade de Teixeira de Freitas não surgiu por obra do acaso. Nasceu, sim, de uma série de transformações na política do estado, do país e das rotas de comerciantes que tanto favoreceram a posição central da cidade.

 

Esse local onde se  localiza a área urbana da cidade hoje, não passava de uma área, coberta pela floresta atlântica, matas e brejos, só possível de alcançar através de trilhas por dentre as matas ou pelos trechos navegáveis do rio Itanhém, também conhecido pela alcunha Alcobaça.

 

Navegar era a primeira opção dos moradores das pequenas comunidades rurais, em sua maioria negra, que habitavam a região. Na década de 1940, a fazenda Cascata ocupava uma posição central, porque ofertava meios para escoamento e abastecimento das fazendas vizinhas como a Nova América, Conceição, Água limpa, Cascata e a Japira.

 

Na Cascata, havia além da farinheira, a casa do proprietário Joaquim Muniz e outra mais distante próxima ao rio Itanhém. Também havia uma venda onde era possível adquirir os produtos industrializados, uma espécie de mercearia que vendia de tudo.

 

Mesmo tendo a população rural se fixado primeiramente às margens do Itanhém, foi nos arredores da Praça dos Leões que a cidade desabrochou. Sabemos pelos antigos moradores que anterior à década da urbanização do espaço, 1950, já existia movimento de moradores pela região, como por exemplo, na fazenda Nova América.

 

A Nova América foi adquirida pelo senhor José Felix Correia no ano de 1923. Lá, em 1947, foi construída uma capela. Nesta capela, diversos padres, entre eles frei Olavo (O.F.M), realizava casamentos, missas e batizados, o que fez da fazenda um importante ponto de encontro das fazendas vizinhas.

 

Na década de 1950, começa a exploração da madeira pela empresa Euleuzibio Cunha, que financiou a abertura da estrada de ligação entre Barcelona, distrito pertencente ao município de Caravelas, e Santa Luzia, localidade do município de Nova Viçosa-BA.

 

Com o aumento do trânsito dos madeireiros, mudaram – se para o lugar, chamado na época de Mandiocal, os negros Francisco Silva e Manoel de Etelvina – este abriria um boteco, tornando – se o comerciante pioneiro. Assim, iniciava – se o “comércio”, mais tarde denominado de “Comércio dos Pretos”.

 

Em 1957, antes que o povoado que surgia no entroncamento das rodovias, recebesse um nome “ainda pior”, foi batizado pelo prefeito de Alcobaça, Manoel Euclides Medeiros, com o nome de Teixeira de Freitas, em homenagem ao pai da estatística brasileira.

 

Teixeira de Freitas, o povoado, surgiu então dividido entre dois municípios, Alcobaça ao norte e Caravelas ao leste. Os anos 1960 trouxeram grandes transformações para o povoado.

 

Nesta década as chegada das indústrias madeireiras, agropecuária e de moradores de outros estados, fizeram a pequena comunidade formada por negros e madeireiros, explodir em um fenomenal crescimento.

 

Na Bahia, sob o regime militar em 1971, o povoado de Teixeira de Freitas, recebeu a visita do governador do estado da Bahia, Antônio Carlos Magalhães. A visita do governador fazia parte da política de expansão de sua influência política, e do território.

 

Em 1974 foi realizada a primeira exposição agropecuária de Teixeira de Freitas. Um grande evento montado para mostrar o potencial da futura cidade. Neste ano Teixeira contou com a visita Alysson Paolinelli – ministro da Agricultura do governo Geisel (1974 á 1979).

 

Também em 1974, o governador Antônio Carlos Magalhães volta ao povoado de Teixeira de Freitas. Foi recepcionado pelo prefeito de Alcobaça, Wilson Brito, que morava no povoado e naturalmente o favorecia. Neste dia, a cidade se tornou capital da Bahia durante dois dias.

 

Em 15 de novembro de 1984, foi realizado o plebiscito onde os moradores dos dois lados, Alcobaça e Caravelas, expressaram o desejo de emancipação e não depender mais das sedes.

 

Em 1985, a população em festa escolheu o primeiro prefeito, Temóteo Alves de Brito, em Janeiro de 1986, foi empossado prefeito na primeira seção da câmara realizado no clube Jacarandá.

 

Depois dele administrou a cidade: Francistônio Pinto – in memória (1989 à 1992), novamente Temóteo Alves Brito (1993 à 1996), Wagner Mendonça, (1997 à 2000 / 2001 à 2004) Aparecido Staut (2005 à 2008 / 2009 à 2012) o atual prefeito  é o médico João Bosco Bittencourt.

 

Hoje, a cidade é uma corrente,  cuja força estar na soma de todos estes elos: banco, indústria, agricultores, administradores e povo. Mais do que uma cidade, Teixeira e o lar, o lugar onde se encontra médicos, escolas, e faculdades, enfim a terra onde se plantando tudo dá.

Daniel Rocha.

Historiador

Tirabanha.blogspot.com

Clique aqui e confira a História completa

ACESSO RÁPIDO
FACEBOOK